CI apresenta propostas para o primeiro parque tecnológico da capital

junho 21, 2016

A direção do Centro de Informática (CI) da UFPB está contribuindo com as primeiras discussões em prol da construção de um parque tecnológico para a cidade de João Pessoa, no campus da UFPB, em Mangabeira. Na última sexta-feira, 17, o diretor do CI, Guido Lemos, foi procurado por representantes da Prefeitura da capital para que, a partir de sua vasta experiência como professor, pesquisador e empreendedor de projetos em tecnologias da informação e comunicação, apresentasse sugestões sobre a viabilidade do projeto e como o Centro pode contribuir com a iniciativa.

Durante o encontro, que aconteceu na sala da direção do CI, a Prefeitura foi representada pelo secretário da Receita Municipal, Adenilson Ferreira, e por Joselma Barbosa, coordenadora do “Plano de Ação João Pessoa Sustentável”.

Esse plano foi elaborado através de parceria entre o município, a Caixa Econômica Federal (CEF) e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e contempla a implantação de um parque tecnológico dentre as estratégias estabelecidas para alavancar um novo perfil de desenvolvimento para a cidade nos próximos anos.

FOTO REUNIAO PARQUE TECNOLOGICO 17 JUNHO 2016

Por se situar em uma região historicamente pouco favorecida em termos de aporte de recursos, e apresentar grande potencial de desenvolvimento, João Pessoa foi a primeira cidade do Nordeste a realizar parceria com o BID e Caixa para expansão da ICES – Iniciativa Cidades Emergentes e Sustentáveis no Brasil. A ICES foi lançada pelo BID e é voltada para cidades de médio porte da América Latina e Caribe, já tendo desenvolvido uma metodologia participativa que possibilita a identificação dos principais problemas das metrópoles, bem como a definição de estratégias para seu enfrentamento, viabilizando recursos técnicos e financeiros para a implementação dos projetos priorizados.

No encontro com os representantes da Prefeitura, o diretor Guido Lemos ressaltou que o parque terá amplas possibilidades de expansão se contar com incubadoras de empresas de base tecnológica, tendo como um dos focos a área de automação industrial. Ele afirmou que a alta qualificação do quadro de pesquisadores da UFPB, em diversos ramos da tecnologia, também será muito favorável ao crescimento do parque, visto que esses profissionais poderão dar grande suporte técnico e científico a projetos que serão incubados nesse novo espaço.

O diretor do CI disse que o Centro está à disposição do município para colaborar com a concretização dessa ideia, contando com a expertise de seus professores e pesquisadores, que desenvolvem atividades de ensino, pesquisa e extensão em Engenharia de Computação, Matemática Computacional e Computação Científica.

Na ocasião, Guido Lemos observou que é preciso construir um modelo de parque tecnológico baseado em experiências bem sucedidas de outros estados do Nordeste, sendo vital que se estabeleça como uma das estratégias o desenvolvimento de serviços, produtos e pesquisas que apresentem um diferencial em relação a outras iniciativas do gênero. O professor também fez referência a algumas fontes de captação de recursos no Brasil e no exterior e citou a construção civil como um dos ramos de atividade com grande potencial para integrar o condomínio de empresas do parque tecnológico.

Fonte: Assessoria de Comunicação do CI