Equipe do CI / UFPB colabora com criação do Polo Digital de João Pessoa

maio 29, 2017

O Centro de Informática (CI) da UFPB está participando de uma grande articulação com a Prefeitura de João Pessoa, empresas de tecnologia, universidades e diversas organizações da sociedade civil, visando a criação do Polo Digital do Centro Histórico da capital.

Um primeiro passo para consolidar esse projeto foi dado na quinta-feira, 25, em reunião, no auditório do paço municipal, com o prefeito Luciano Cartaxo e da qual participaram o diretor do CI, Hamilton Soares, o vice-diretor, Lucídio Cabral, o primeiro diretor do Centro, Guido Lemos, e mais um grupo de professores da unidade de ensino da UFPB.

A finalidade é revitalizar o Centro Histórico, criando naquela área um Arranjo Produtivo Local (APL) de tecnologias da informação, comunicação e cultura, que vai congregar empresas, startups com viés em inovação tecnológica, visando fomentar o desenvolvimento econômico da cidade, tornando as empresas mais competitivas no mercado e gerando mais emprego e renda.

Outro foco é a cooperação dos empreendedores atuantes no Polo Digital com universidades e centros de pesquisa da Paraíba, dentre eles o Centro de Informática, que é referência na criação de aplicativos para TV digital, na área de robótica e no desenvolvimento de outras soluções tecnológicas.

O CI deverá ter um espaço no Polo Digital para colocar o conhecimento científico e tecnológico à disposição da sociedade, formando parcerias com o setor produtivo, contribuindo para a qualificação profissional de novas gerações e fortalecendo os vínculos de produção, cooperação e aprendizagem.

Na ocasião, o prefeito recebeu do jornalista Walter Santos, um dos articuladores da iniciativa, um documento que sintetiza um dos projetos que o Polo Digital deverá abrigar, o chamado Centro de Estudos de Excelência em Inovação Lynaldo Cavalcanti, que homenageia o ex-reitor da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) e também criador do primeiro parque tecnológico do país com incubadora de empresas.

O prefeito assegurou que irá trabalhar visando a concretização desse projeto, mas ressaltou, porém, que o momento político que o país atravessa é de muita instabilidade e que o município ainda depende de repasses financeiros do governo federal para execução de grande parte das políticas públicas planejadas em sua gestão. Assumiu, no entanto, o compromisso de criar uma coordenação executiva para planejar e acompanhar a criação do Polo Digital de João Pessoa.

O professor e ex-diretor do Centro de Informática, Guido Lemos, um dos colaboradores do projeto, destacou que a Paraíba tem capital intelectual para garantir o sucesso dessa iniciativa, exemplificando o grande número de doutores que atuam na UFPB e em outras instituições de ensino, com grande expertise em pesquisa e desenvolvimento de tecnologias avançadas.

Além dos professores, Guido Lemos também lembrou que mais de três mil estudantes estão se qualificando em cursos de engenharia de computação, ciência da computação e outras engenharias nas instituições de ensino da Paraíba e que poderiam se engajar em diversos atividades do Polo Digital, em incubadoras de empresas, startups, ou contribuindo para a capacitação de mão de obra para o mercado de trabalho.

Ele afirmou que essa ação coordenada entre Prefeitura, empresas e organizações da sociedade civil está chegando de forma um pouco tardia, mas ainda é tempo de atrair novas empresas para investirem na capital, promover e vender tecnologia “Made in PB” para o mundo, proporcionando maior visibilidade às nossas vocações econômicas.

O professor do Departamento de Economia da UFPB, Paulo Cavalcante, colaborador do projeto, apresentou aos participantes um estudo da Secretaria de Turismo do Estado sobre a viabilidade de criação de Arranjos Produtivos Locais de Tecnologias da Informação, Cultura e Comunicação como estratégia de desenvolvimento da gestão pública e privada na Paraíba. O estudo também aponta que João Pessoa não tem visibilidade regional e nacional nesse segmento, no qual predominam Recife, Fortaleza e Salvador.

Além da equipe do CI, a UFPB esteve representada no encontro pelo diretor do CCTA, David Fernandes , e pelo professor do Departamento de Música, Carlos Anisio .

FONTE: Assessoria de Comunicação do CI