Pamin/UFPB promove oficina de inclusão digital em Mandacaru

maio 20, 2013

As aulas começam nesta segunda-feira (13) e serão realizadas até o dia 20 de junho; o Pamin vai capacitar 30 jovens e adultos da comunidade

Jovens e adultos de Mandacaru, em João Pessoa, terão, agora, um espaço privilegiado para expressar e dar visibilidade à produção artística e cultural do bairro. Nesta segunda-feira (13), o Pamin- Patrimônio, Memória e Interatividade, projeto de extensão do Núcleo Lavid UFPB, começa a capacitar esse público jovem em oficinas de inclusão cultural e digital, no próprio bairro, que vão ensinar como utilizar o potencial da internet para divulgar as ações culturais e artísticas daquela comunidade.

O trabalho é coordenado pela professora Luciana Chianca, idealizadora do projeto. As oficinas serão realizadas com o apoio de estudantes dos cursos de graduação em Ciências da Computação, Engenharia da Computação, Ciências Sociais e Mídias Digitais da UFPB. As atividades são realizadas com o apoio de uma rede de parceiros, dentre eles o Núcleo Lavid/UFPB, o Centro de Referência de Assistência Social – CRAS de Mandacaru, Secretaria de Desenvolvimento Social de João Pessoa (Sedes), Estação Digital e Centro de Referência da Cidadania (CRC) de Mandacaru (Secitec/PMJP).

Segundo Luciana Chianca, a iniciativa, chamada “Cultura Digital e Patrimônio- Pamin em Mandacaru” capacita jovens e adultos a ampliarem as possibilidades de disseminar informações da cultura local, através da internet, notadamente por meio do site www.pamin.lavid.ufpb.br, criado pelo Pamin, com a finalidade de servir de canal gratuito de divulgação da ação cultural e artística de comunidades menos favorecidas de João Pessoa.

As oficinas serão realizadas no período de 13 de maio a 20 de junho. Os participantes terão duas horas de aula semanais e serão formadas duas turmas, de 15 alunos, cada. O curso terá carga horária total de 24 horas. As inscrições estão sendo efetuadas na sede do CRAS, em Mandacaru, e também na Estação Digital do CRC do bairro.

A metodologia de ensino prevê a realização de aulas expositivas, dinâmicas em grupo, visitas a pessoas e grupos artísticos do bairro, aulas práticas com a utilização de computadores e acesso à internet. As aulas serão ministradas na sede do CRAS, em Mandacaru, e também na Estação Digital do CRC.

O Pamin vem realizando iniciativas dessa natureza em outras áreas da capital. Em 2012, foram capacitados 42 alunos do Bairro dos Ipês. O público alvo foi jovens e adultos que participaram de oficina com foco em inclusão digital e divulgação da produção cultural e artística local.

Fonte: Agência de Notícias da UFPB – Com informações do Núcleo Lavid

Madrilena Feitosa, jornalista do CI