PINK DAY no CI

novembro 1, 2017

Psicóloga que teve câncer de mama fala para estudantes sobre marcas invisíveis da doença

A programação do “Outubro Rosa” no Centro de Informática (CI) foi encerrada, na segunda-feira, 30, com o PINK DAY, promovido pelo ramo WIE (Women in Engineering) do IEEE (Institute of Electrical and Electronic Engineers) e que trouxe para os estudantes a palestra da psicóloga clínica Maria Moreno.

Durante o encontro, a palestrante, que foi diagnosticada, anos atrás, com um câncer de mama, disse que para tratar a doença buscou se alicerçar em três sentimentos que deixaram marcas, invisíveis aos outros mas bastante significativas para que enfrentasse os desafios e chegasse à cura.

A primeira marca invisível, segundo ela, foi a aceitação da doença. “Não aceitar é morrer”, atestou, afirmando que a pessoa precisa compreender porque e para que teve câncer.

 

  

O amor da família foi outro sentimento consolidado no decorrer do tratamento e que se tornou forte aliado na recuperação. “Lembro da união da minha família”, disse.

Revelou, ainda, que durante a doença também reforçou a autoestima, a força em si, aprendendo a caminhar sozinha. “Quando se tem câncer a gente vê que não deve colocar as expectativas no outro. O câncer ensina a focar em você mesma, a se fortalecer”.

Na conversa com o alunado do CI ela disse que um padrão de comportamento muito recorrente hoje, principalmente nas novas gerações, é a compulsão por viver o que está do lado de fora , buscando alívio para a alma em coisas materiais e nas pessoas. Ela orientou os jovens a olharem mais para dentro de si, buscando diminuir as atitudes geradoras de estresse.

  

Com sua larga experiência na abordagem e tratamento de jovens e adolescentes, através da psicologia clínica, Maria Moreno observou que os que se encontram nessa faixa etária têm dificuldade em sonhar e planejar a vida, porque estão muito presos no presente e no que está do lado de fora do universo interior.

Em sua palestra, orientou os participantes a estreitarem os laços com a família e a alertarem as mães para a importância da realização de exames preventivos de mama.

FONTE: Assessoria de Comunicação do CI