O que é a Extensão?

A extensão é um processo educativo, cultural e científico promovido por universidades para estabelecer uma relação com outros segmentos da sociedade. É um modo de a universidade realizar e participar, em conjunto com outros setores da sociedade, de programas e projetos que promovam o desenvolvimento regional e sociocultural.

Quais os tipos de ações extensionistas?

  • Cursos, palestras e conferências;
  • Cursos de ensino a distância;
  • Cursos de verão, ou sazonais;
  • Viagens de estudo;
  • Ações Cívico-Sociais;
  • Apresentações musicais, teatrais e feiras;
  • Campanhas orientativas e assistenciais;
  • Programas e eventos culturais e esportivos.

Como participar das ações extensionistas?

Para participar das ações extensionistas como bolsista o aluno deve aguardar o período de seleção e se inscrever de acordo com as normas especificadas no edital, caso queira ser voluntário, ele pode procurar um docente extensionista vinculado ao projeto desejado para discutir as possibilidades e requisitos para unir-se a equipe deste.

Quem pode participar das ações extensionistas?

Discentes, docentes e servidores técnicos.

Quais as vantagens da extensão?

  1. Difusão e socialização do conhecimento detido pela área de ensino;
  2. Difusão e socialização dos novos conhecimentos produzidos pela área de pesquisa;
  3. Conhecimento da realidade da comunidade em que a universidade está inserida;
  4. Possibilidade de diagnosticar necessidades de pesquisas e outras ações;
  5. Prestação de serviços e assistência à comunidade;
  6. Fornecimento de subsídios para o aprimoramento curricular e criação de novos cursos;
  7. Fornecimento de subsídios para o aprimoramento da estrutura e diretrizes da própria universidade na busca da qualidade;
  8. Facilita a integração ensino-pesquisa-extensão;
  9. Possibilita a integração universidade-comunidade;

10.Possibilita a comunidade universitária conhecer a problemática nacional e atuar na busca de soluções plausíveis.

Assessoria de Extensão do Centro de Informática

Links Importantes

Pró-reitoria de Extensão e Assuntos Comunitários: www.prac.ufpb.br

Siga Eventos: sigeventos.ufpb.br

SigProj: sigproj1.mec.gov.br

Ações Extensionistas do Centro de Informática:  

  1. Desenvolvimento de um Sistema de Apoio à Decisão do Centro de Informática (projeto SACI)

Este projeto prevê o desenvolvimento de um sistema para a alocação otimizada de aulas a salas. Inicialmente o projeto será aplicado no contexto das disciplinas ministradas no âmbito do CI para validação do sistema. O projeto visa não só a automação do processo de alocação de aulas a salas como também a geração de soluções de alta qualidade que não dependam da experiência do decisor.

Coordenador(a): Bruno Petrato Bruck (bruno.bruck@ci.ifpb.br).

  1. Robótica Educacional e Pensamento Computacional:  fomentando novos projetos

Este projeto visa auxiliar os alunos e professores das Escolas Estaduais na utilização/implementação/montagem e programação dos Kits de Robótica, juntamente com o uso do pensamento computacional para resolução de problemas, projeção de sistemas e compreensão do comportamento humano, através da extração de conceitos fundamentais da ciência da computação. Estamos dando continuidade ao trabalho iniciado em 2018 com a escola estadual IEP – Instituto de Educação da Paraíba. 

Coordenador(a): Elizabet Maria Spohr de Medeiros (elizabet@ci.ufpb.br) 

  1. Assessoramento às Atividades de Extensão do Centro de Informática

O presente projeto representa o trabalho da Assessoria de Extensão do Centro de Informática/UFPB. O projeto tem como objetivo possibilitar a administração das atividades de extensão, dos bolsistas e voluntários que atuarão nesta Assessoria. O projeto é amparado pelas Resoluções CONSEPE 09/1993, 76/1997 e 61/2014 que regulamentam as atividades de extensão e define normas para o Programa Institucional de Bolsas de Extensão da UFPB (PROBEX).

Coordenador(a): Jose Miguel Aroztegui Massera  (jose.miguel@ci.ufpb.br

  1. Oficinas de Programação para Meninas do Ensino Médio: estimulando o interesse pela computação

Embora o número de mulheres que ingressam, se matricula e conclui a graduação no Brasil seja maior do que o número de homens, a preferência dos cursos escolhidos pelo público feminino fica restrita às áreas de humanas e saúde. Já o público masculino tem preferência pelas engenharias e cursos relacionados à tecnologia, como é o caso da Computação. Na Paraíba, os cursos de Bacharelado em Ciência da Computação, Engenharia da Computação e Matemática Computacional da UFPB em João Pessoa apresentam uma predominância masculina, sendo aproximadamente 13% de mulheres contra 87% de homens, evidenciando a baixa presença feminina e reproduzindo as relações de gênero que são características das áreas de ciência e tecnologia. Uma das dificuldades do ingresso de mulheres na área de Computação é que, em geral, elas não se sentem aptas nem capazes de lidar com a tecnologia. Desse modo, este projeto pretende atuar na educação de jovens alunas do ensino médio, promovendo através das Oficinas de Programação o desenvolvimento do raciocínio lógico e conceitos de programação de computadores. Através de um contato real com a área de programação, o projeto objetiva ser um agente transformador que atraia a atenção das alunas do ensino médio, possibilitando que elas possam conhecer de forma mais abrangente a carreira, antes das suas escolhas para o vestibular. 

Coordenador(a): Giorgia de Oliveira Mattos (giorgia@ci.ufpb.br). 

  1. O Uso de Serious Games como Prática Terapêutica para Crianças com Transtorno do Neurodesenvolvimento

O presente projeto tem por objetivo o desenvolvimento e a aplicação de uma tecnologia assistiva voltada para crianças com transtorno do neurodesenvolvimento assistidas na clínica escola de Terapia Ocupacional da UFPB, buscando efetivar práticas de áreas do conhecimento distintas como: terapia ocupacional, engenharia da computação e ciência da computação. A escolha de serious games deu-se pelo caráter lúdico e por serem ferramentas que estimulam maior engajamento, além de fornecerem um método eficaz para fornecer informações factuais de uma maneira prática e divertida. Dessa forma, o projeto tem como intuito principal fornecer uma ferramenta que contribua para ganhos funcionais dos pacientes assistidos pela clínica para que eles possam exercer as atividades funcionais de forma independente.

Coordenador(a): Clauirton de Albuquerque Siebra (clauirton@ci.ufpb.br)  

  1. Turma Virtual App: Aplicativo Móvel para o Ambiente Virtual de Aprendizagem do SIGAA – Fase II

O uso de smartphones é cada vez mais presente nas vidas das pessoas, especialmente na população mais jovem, sendo seu principal meio de acesso à internet. Como consequência natural, o m-learning (mobile learning) emerge como um novo paradigma educacional. O m-learning possibilita que a aprendizagem, mediada por smartphones, possa ocorrer a qualquer hora, em qualquer lugar, sendo os ambientes virtuais de aprendizagem um componente importante do m-learning. A principal função de um AVA é servir de repositório de conteúdo e meio de interação e comunicação entre docentes e discentes no processo de ensino-aprendizagem. Desde a implantação do módulo Graduação do SIGAA em 2015, toda a comunidade acadêmica da UFPB passou a dispor um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA), integrado com todo o sistema de gestão acadêmico. No SIGAA, o AVA é conhecido pelo nome de Turma Virtual. Na Turma Virtual, o docente pode postar informações, tais como o plano de curso, referências e vídeos, interagir com os discentes por meio de fóruns e notícias relacionadas à disciplina, aplicar avaliações e questionários, e gerenciar a turma, lançando-se as frequências e as notas dos discentes. No entanto, apesar de uma grande parcela dos discentes da UFPB acessar a Internet por meio de dispositivos móveis, eles não conseguem acessar plenamente as funcionalidades da Turma Virtual porque ela não está totalmente adaptada para os celulares. Os estudantes da UFPB que não possuem computadores ou não costumam usá-lo para acessar a Internet são excluídos digitalmente por causa das limitações do SIGAA, causando consequências pedagógicas negativas, tais como não acesso a recursos didáticos e não participação plena nos canais de comunicação da disciplina. Neste projeto de extensão, estamos propondo a continuação do projeto de extensão, iniciado em 2019, de criação de um aplicativo para celular da Turma Virtual do SIGAA, que poderá minorar os problemas advindos da exclusão digital ao mesmo tempo que fomentará novas práticas pedagógicas digitais, aumentando a qualidade do aprendizado dos alunos, consequentemente impactando todo a comunidade acadêmica da UFPB. Por fim, este projeto de extensão articula-se com o ensino e a pesquisa, apresenta uma metodologia viável e sustentável, com mecanismos de avaliação contínua, estando ainda alinhado com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (Agenda 2030) e com a internacionalização das atividades acadêmicas.

Coordenador(a): Alan Kelon Oliveira de Moraes (alan@ci.ufpb.br).

  1.  Sisenex, Sistema de Apoio a Realização do Encontro Unificado de Extensão: Um Produto do LABES

Este projeto tem como objetivo o refinamento de um produto denominado SisEnex construído a partir do laboratório piloto de desenvolvimento de sistemas, denominado de LABES, em que o estudante regularmente matriculado vivencia a prática do desenvolvimento de produtos no intuito de resolver problemas reais da comunidade, especialmente, a comunidade interna, tendo como resultados produtos utilizáveis por usuários reais. Em termos extensionista, o valor do projeto se traduz em três grandes aspectos: a transmissão de tecnologia para a comunidade, a melhoria na capacitação profissional dos discentes participantes, e o atendimento por problemas reais vindo da comunidade e que necessitam de soluções computacionais que gerem impactos positivos na agilidade, na economia de recursos e em uma maior sustentabilidade dos processos automatizados. Dentro deste contexto, o SisEnex é um sistema que apoia todo o processo de avaliação das ações de extensão durante o Encontro Unificado de Extensão (ENEX), auxiliando desde a organização até a computação final dos resultados dos projetos avaliados durante o evento. Uma primeira versão deste produto já foi desenvolvida e testada durante o Enex de 2019, considerando todos os campis da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Esta versão proporcionou tanto uma maior agilidade a organização do evento como também na avaliação e computação dos resultados finais, que ficaram disponíveis de forma imediata ao encerramento do evento, algo que não acontecia sem o uso do sistema chegando a demorar meses para a computação do resultado final. Contudo, existem requisitos a serem adicionados e refinamentos de uso a serem implementados para que o mesmo tenha sua utilização efetiva pela Pró-reitora de Extensão da Universidade Federal da Paraíba, transformando-se assim, em um projeto estratégico para essa Pró-reitora. O produto tem um impacto social contemplando toda a comunidade da UFPB participante do ENEX, servidores e discentes, além de colaborar com os objetivos de sustentabilidade da Instituição por economia de recursos e maior agilidade e qualidade na realização dos processos institucionais. 

Coordenador(a): Danielle Rousy Dias Ricarte (danielle@ci.ufpb.br)  

  1. Desenvolvimento de Soluções de Telemetria Veicular para Competições Universitárias

O projeto “Desenvolvimento de Soluções de Telemetria Veicular para Competições Universitárias” objetiva desenvolver soluções tecnológicas voltadas para o monitoramento de veículos de competição desenvolvidos na Universidade Federal da Paraíba. O desenvolvimento das soluções de telemetria veicular permitirá que alunos dos cursos de Engenharia Mecânica, Engenharia Elétrica e Engenharia/Ciência da Computação cooperem entre si para identificar e implementar soluções tecnológicas inovadoras, capazes de ajudar a universidade nas competições em que ela participar. Outro benefício da UFPB ter uma boa representação nas competições universitárias de veículos como Baja ou Formula-E é demonstrar para a sociedade de um modo geral a capacidade criativa da universidade para os setores automotivos e tecnológicos.

Coordenador(a): Ewerton Monteiro Salvador (ewerton@ci.ufpb.br) 

  1. Construção de uma ferramenta utilizando métodos de inteligência artificial na gestão de dados da Gerência de Ensino e Pesquisa do HULW

O HULW proporciona atividades de ensino, pesquisa e extensão no campo da saúde, inserindo-se neste contexto alunos de nivel técnico, graduação e pós-graduação, bem como bem como para residentes da área médica, multiprofissional e saúde mental. Nesse contexto, a Gerência de ensino e Pesquisa (GEP) tem enfrentado dificuldades quanto ao gerenciamento de agendamentos do fluxo dos alunos que atuam no HULW, visto que o modelo atual utilizado não é informatizado. Sendo assim há uma necessidade eminente para construir um sistema informatizado que utilize técnicas computacionais para dar mais eficiência e eficácia na gestão dos dados e agendamentos dos docentes e discentes que que atuam no HULW/EBSERH, otimizando o controle e monitoramento desses usuários

Coordenador(a): Fernando Menezes Mato (fernando@ci.ufpb.br)

  1. Laboratório de Inovação e Inclusão Profissional – I2

No Brasil, o ensino superior das áreas tecnológicas nas universidades federais tem demonstrado um foco bastante teórico, levando à uma carência de práticas e preparação e qualificação de estudantes para o mercado de trabalho. Os projetos propostos nas disciplinas não conseguem representar fidedignamente as vivências do mundo real. Não é difícil encontrar alunos com boa desenvoltura durante o curso, mas que por algum motivo não conseguem se inserir em projetos que façam uso deste potencial. A proposta do Laboratório de Inovação e Inclusão Profissional – I2 é identificar estes casos e inseri-los em projetos promovidos pelos diversos laboratórios da UFPB com o propósito de fomentar a relação em times de desenvolvimento e explorar as capacidades técnicas e de inovação destes alunos em diversos projetos, a fim de prepará-los e melhorando a qualificação e a autoconfiança para o mercado de trabalho.

Coordenador(a): Eudisley Gomes dos Anjos (eudisley@ci.ufpb.br)